Quando Meu Malvado Favorito foi lançado em 2010, a história do vilão Gru e seus fiéis minions roubou o coração de público de todas as idades. O sucesso foi tão grande que logo em seguida outras produções, incluindo a aguardada sequência foram lançadas. A história que fala sobre a redenção do malvado Gru e suas aventuras com as adoráveis criaturas amarelas chamadas Minions tornou-se um dos desenhos mais queridos nos últimos tempos. Mas, agora, a história ganhou um novo capítulo, com a produção de uma versão pornográfica.

A versão pornô de Meu Malvado Favorito 3 tem causado grande polêmica entre as pessoas, especialmente entre os fãs de todas as idades da saga de animação. Muitos se perguntam se a versão mais adulta poderia manchar a imagem dos inseparáveis amigos amarelos e do herói que, mesmo sendo um vilão, conquistou o carinho do público.

Além disso, as críticas estão relacionadas ao conteúdo desnecessário que foi acrescentado à história, agora mais suja e vulgar. Embora muitos acreditem que é apenas uma brincadeira de mau gosto, os espectadores mais conservadores afirmam que a pornografia é algo perturbador, e que não se deve misturá-la com produções destinadas a um público mais novo.

É preciso lembrar que a história de Meu Malvado Favorito 3 não foi criada com uma nova abordagem, como é de praxe em adaptações quando temos uma versão mais adulta. O vilão Gru não é mais vilão nem mesmo as criaturas amarelas são transformadas em personagens mais adultas. A história seguindo o mesmo canal, mas, agora, as imagens são mais picantes e a relação entre os personagens é bastante explícita.

Por isso, é importante salientar que se trata de uma versão pornográfica apenas para maiores de dezoito anos, visto que tem uma linguagem obscena e conteúdo sexual explícito. Além disso, a obra não é recomendada para pessoas que são sensíveis às cenas de teor sexual mostradas.

Em resumo, o público deve entender que Meu Malvado Favorito 3 é uma produção destinada ao público geral, enquanto esta versão pornográfica é restrita a maiores de dezoito anos. Ainda assim, a polêmica está lançada e a discussão sobre os limites da pornografia estão em alta. Afinal, até onde é aceitável levar a pornografia em produções que têm público-alvo infantil?

Ao final, a decisão cabe ao público adulto que, evidentemente, deve respeitar a escolha de cada um e ter responsabilidade sobre o que consome. Até que ponto isso pode prejudicar a imagem de uma obra tão popular, cabe a cada um decidir.